Publicado em

Lições da Apple para a gestão médica

Steve Jobs também era muito apaixonado pelo que fazia, na mesma proporção que seu nível de exigência. Na época em que esteve à frente da Apple, a corporação funcionava quase como um regime militar, com funções muito bem definidas, pouca tolerância a erros e a exigência da maior discrição possível (e impossível) sobre seus próximos projetos. Para conseguir seu pôr em prática seu intento, Jobs fazia duas reuniões semanais.

Uma às segundas-feiras, para discutia projetos importantes, e outra às quartas-feiras, para lidar com sua equipe de marketing e comunicação. Todos os que participavam dessas conversas saíam das reuniões com uma lista de tarefas e, ao lado de cada atribuição, eram discriminadas as responsabilidades individuais de cada funcionário.

Seria esse controle obsessivo algo prejudicial para o médico que empreende? Não necessariamente. Mas é preciso, contudo, desempenhar a função plenamente, com o máximo de atenção possível. “Quem controla tem que controlar de verdade, sobretudo quando falamos em escolha de fornecedores.

Tenho um colega médico que contratou uma agência de comunicação para fazer um busdoor. Só que a empresa não executou o serviço corretamente, utilizando palavras difíceis de entender. É preciso ter muito conhecimento para montar uma interface com outros profissionais, sejam eles fornecedores ou da própria equipe. Só assim é possível exercer o controle”, acredita D’Aguiar. O grande mérito da Apple é ter a habilidade de dar aos clientes o que eles querem, antes mesmo de saberem que desejam. Isso é o resultado da visão criativa da empresa, aliada a práticas eficazes de gestão. Um exemplo simples – mas bem eficiente – é a receita impressa.

“Os geriatras já partiram para esta ‘inovação’, e costumam fornecer receitas com letras grandes para ajudar não só a leitura do idoso, mas também a do farmacêutico”, exemplifica o médico do trabalho. E você? Já pensou por onde começar? Lembre-se de que não há progresso sem mudança e, o mais importante, não tenha medo dos desafios.

Esse post faz parte da série “Gestão em saúde: Google, Microsoft e Apple“.  Fique atento para acompanhar mais lições destas grandes marcas para as áreas médicas

Publicado em

As lições da Microsoft para a Gestão Médica

Explorar comercialmente uma ideia e torná-la em algo imprescindível para todos é a maior lição que Bill Gates, fundador da Microsoft, pode ensinar. Ele é o exemplo clássico da pessoa que estava no lugar certo na hora certa. Seu maior mérito como businessman é reconhecer o potencial das ideias (mesmo que alheias) e comercializá-las. Gates estava sempre antenado em tudo que acontecia a seu redor para aproveitar uma oportunidade, potencializá-la e alavancar o negócio. Prova disso foi que ele conseguiu transformar os computadores pessoais em algo a ser utilizado por qualquer pessoa – a máxima “Computador, você ainda vai ter um” é uma realidade mais do que consolidada.

Na Medicina, contudo, muitos ainda torcem o nariz ante à ideia de se gerar lucro com a saúde. “Existem segmentos em nossa sociedade que ainda acham um absurdo ter lucro na Saúde. Mas o sistema capitalista prevê isso, e não é errado querer se destacar, desde que com embasamento científico”, pontua Eduardo D’Aguiar.

Outra lição importante de Bill Gates é o desapego e a benemerência – hoje, suas ações voltadas à filantropia têm tanto (ou mais) destaque quanto sua inventividade e seu empreendedorismo. Ao tornar-se referência mundial em inovação, sucesso pessoal e, consequentemente, enriquecer (sempre aparece nas mais altas posições da lista dos homens mais ricos do mundo), Gates tomou uma decisão radical: o empresário já doou mais de 90% de sua fortuna para causas sociais em benefício da humanidade. Para tanto, mantém, com a esposa, a Fundação Bill e Melinda Gates, que oferece bolsas para iniciativas, em todo o mundo, focadas em desenvolvimento agrícola, saúde, assistência emergencial, pobreza urbana e educação.

Caso você não queira ir tão longe nas ações filantrópicas, mas deseje, de alguma forma, doar algo, existem dois caminhos (a princípio), segundo o médico do trabalho Eduardo D’Aguiar: “Você pode doar tempo, que é seu bem mais precioso, a outras pessoas que precisam de atendimento médico por um baixo custo, ou ainda gratuitamente, associando-se a iniciativas como os Médicos Sem Fronteiras. Pode, também, contribuir com a Lei Rouanet de incentivo à cultura. Se essa for a sua opção, recomendo procurar um contador e se informar”. Bill Gates também se destaca por saber falar a linguagem dos programadores. De acordo com o Portal Administradores.com, esse é um de seus triunfos como líder. Você pode exercitar essa habilidade com os pacientes e seus familiares.

“É fundamental saber ligar a ‘tecla sap’ e se fazer entender perante quem busca sua orientação. Seja simples, mas sem ser simplista”, resume D’Aguiar. É possível fazer isso, ainda, orientando seus colegas ou subordinados. “A prática de pós-consulta é cada vez mais comum, sobretudo nos planos de saúde. Um enfermeiro que consegue dar acompanhamento ao paciente após o atendimento do médico ajuda não só na adesão ao tratamento, como também a fidelizar essa pessoa. Mas, para isso, é preciso haver um canal de comunicação entre esses dois profissionais”, explica.

Esse post faz parte da série “Gestão em saúde: Google, Microsoft e Apple“. Para ver os outros Fique atento para acompanhar mais lições destas grandes marcas para as áreas médicas

Publicado em

Os segredos de Steve Jobs e o que eles têm a ver com você

Steve Jobs, o fundador da Apple, seguia à risca oito regras – que, hoje, são consideradas o segredo do seu sucesso. Para Ernesto Bedrikow, coordenador do Software Process Improvement Networking (SPIN) e professor da Faculdade Sumaré, muito do que o “rei dos gadgets” dizia serve para a sua vida. Inspire-se nestes valores:

1 – MOSTRE SUA PAIXÃO

Se você não for apaixonado por sua ideia, ninguém mais será. Jobs acreditava no que dizia, o que é mais importante. “É uma questão de lógica. Mas é preciso ir além e focar a motivação, para depois buscar uma estabilização”.

2 – FOCO EM VALORIZAR O SERVIÇO

Para um empreendedor, não há sentimento mais nobre do que melhorar a qualidade de vida das pessoas – ainda mais quando tratamos de um empreendimento médico. “Cito como exemplo um projeto no qual trabalho. Uma clínica decidiu oferecer tablets para o alerta de senhas. Em vez de avisos ruidosos, cada paciente recebe um gadget, e este possibilita não só visualizar a senha com tranquilidade, como informa a sala em que o paciente será atendido, além de dar acesso a sites e redes sociais. A ideia da clínica é assegurar a tranquilidade no atendimento, além de fidelizar o paciente, através do entretenimento”.

3- DESAFIE SEU TIME

Jobs podia ser autoritário, mas exigia de seus funcionários o suficiente para impulsionar seu crescimento. Aqui, vale a máxima da clareza e a importância de saber comunicar exatamente o que se deseja. “O verdadeiro desafio é seguir o que foi planejado. Seja criativo – só assim a sua estratégia será bem implementada”.

4 – MANTENHA TODO MUNDO NO CAMINHO

Empenhe-se ao máximo para nunca perder a noção do que é o mais importante. “É preciso trabalhar seguindo uma visão de conformidade, confiabilidade e competência. Sem foco, você acaba sendo muito diverso”.

5 – DEFINA AS PRIORIDADES CORRETAS

Se você souber e conseguir explicar o que é imprescindível, sua equipe o seguirá sem contestações. “Para definir um modelo, sugiro o uso da Matriz GUT, uma ferramenta muito usada pelas organizações para priorizar quais problemas devem ser solucionados, de acordo com sua gravidade, urgência e tendência. A grande vantagem da utilização desse recurso é o consenso. Seguindo esse fluxo e dando o tratamento correto aos riscos, fica mais fácil gerir os processos”.

6 – SAIBA INTERROMPER

Existe o momento em que é preciso ser objetivo. Seja um ouvinte paciente, mas saiba a hora certa de intervir – assim, economizará muito tempo e recursos. “Se você optar por esta estratégia, saiba que precisará ter muito tato e sensibilidade para saber os limites dos mapas mentais das pessoas”.

7 -APRENDA COM O PASSADO

“Esse, sem dúvida, é o maior ensinamento de Steve Jobs. Aproveitar os movimentos e as estratégias corretas é o ideal para canalizar a produtividade”.

8- FOCO NO POSITIVO

Sempre haverá muito o que fazer, mas lembre-se de olhar para trás, para o que já realizou – isso pode ser a motivação que você precisa para seguir em frente. “Para quem tem um negócio já consolidado e precisa melhorar sua representatividade no mercado, sugiro o uso da Matriz Fofa (Força, Oportunidade, Fraqueza e Ameaça), cuja finalidade é detectar os pontos fortes e fracos de uma organização para torná-la mais eficiente e competitiva, corrigindo, assim, suas deficiências. Mais uma vez, insisto que estamos inseridos em um cenário que requer muito planejamento”.

Texto por Bruno Bernardino

Publicado em

Tecnologia de mãos dadas com a gestão

A tecnologia modificou o cenário da Medicina mundo afora, facilitando e agilizando a vida dos profissionais, não só da Saúde, mas de diferentes áreas. Confira, a seguir, uma lista que preparamos com dicas tecnológicas que irão otimizar a gestão do seu consultório ou clínica.

Prontuário eletrônico

Ótima ferramenta para quem deseja potencializar a administração de clínicas médicas, o prontuário eletrônico do paciente (PEP) é um meio digital padronizado, em que é possível adicionar as diversas informações de saúde, clínicas e administrativas sobre um paciente em atendimento. O PEP facilita o preenchimento de receitas e a visualização de exames, agiliza a comunicação via e-mail com o cliente e viabiliza o acesso remoto às informações, dentre outras vantagens. Com o PEP, as famosas fichas em papel acabam aposentadas, melhorando o trabalho do médico e dos colaboradores que o auxiliam.

Onde encontrar

www.hidoctor.com.br

Acesso na nuvem

Conhecida como cloud computing, a nuvem é o atual conceito de armazenamento de dados. O médico pode guardar todas as informações e documentos mais importantes nesse ambiente virtual único, que não ocupa espaço físico, nem memória no computador, e está sempre acessível, onde quer que o profissional esteja.

Onde encontrar

www.dropbox.com, www.google.com/drive, www.pcloud.com/pt

Controle de recibos e contas

Sendo as tarefas que mais exigem tempo dos profissionais da Saúde, a gestão dos recibos de consultas e o acerto com fornecedores podem ser otimizados com programas exclusivamente dedicados a essas funções. Existem recursos virtuais que realizam o serviço de forma rápida e prática, diminuindo as chances de erros humanos, que resultariam no comprometimento das contas da clínica ou do consultório.

Onde encontrar

www.contasonline.com.br, www.myfinance.com.br e www.quickbooks.com.br.

Experiência mobile

é traduzida nos inúmeros apps criados especialmente para facilitar a vida do médico. Há várias soluções disponibilizadas no mercado, melhorando a gestão do consultório médico e transformando o smartphone em uma ferramenta útil para os profissionais de saúde. Alguns exemplos: WhiteBook, que se dispõe a fornecer respostas rápidas e precisas na tomada de decisões clínicas, e o iCTI, um guia de terapia intensiva.

Onde encontrar

www.pebmed.com.br

Publicado em

Os 12 mandamentos do Google aplicados a sua empresa

1- CONHEÇA PROFUNDAMENTE SUA EQUIPE ANTES DE FAZER MUDANÇAS

“O médico que deseja empreender precisa estar com a mente aberta. Assim, conseguirá identificar os perfis comportamentais dentro de sua equipe. O grande problema é que o profissional, geralmente, não se dá conta de que, ao abrir um consultório, seu papel muda. Ele passa a ser um empreendedor. Quem tem um perfil acadêmico precisa estar aberto à inovação e novos conhecimentos”.

2 – PROCURE O CONSENSO EM VEZ DE IMPOR DECISÕES

“O médico que é sócio de uma empresa/consultório precisa saber administrar conflitos. Imagine que dois sócios resolvam dividir igualmente a renda do consultório e que, com o passar do tempo, um deles passe a trabalhar menos. Isso, com certeza, irá gerar uma insatisfação. É preciso muita calma para que a situação não acabe em um escritório de advocacia”.

3 – TOME DECISÕES CLARAS E ASSUMA A RESPONSABILIDADE POR SUAS AÇÕES

“Muitas vezes, o médico fracassa ao empreender porque não deixa suas posições claras e não realiza um planejamento. O movimento de busca por qualidade e melhoria na gestão pede clareza e assertividade. Assim, o profissional poderá orientar seus negócios da forma correta. Traçando um paralelo com o serviço público, percebo que a falta de uma gestão adequada e planejamento, além da interferência política, não são, definitivamente, um bom case a seguir”.

4 – VOCÊ TRABALHA PARA SUA EQUIPE E NÃO O CONTRÁRIO

“Mesmo que seja o dono do consultório, o médico precisa definitivamente entender que faz parte de uma equipe, que, por sua vez, tem como objetivo buscar um bem maior: o bom atendimento do paciente”

5 – COLOQUE A MÃO NA MASSA

“A conjuntura atual força o médico a colocar cada vez menos a mão no paciente, restringindo o tempo de consulta. Isso é culpa do sistema que exige produtividade. Mas é preciso cultivar a relação médico-paciente, cuja essência vem se perdendo com o tempo – o resultado disso é o aumento das demandas judiciais”.

6 –  COMPARTILHE AS INFORMAÇÕES COM A EQUIPE

“Sempre deixe claro os papéis de cada um, porque se a equipe não souber como proceder, quem sai perdendo é o paciente. Um bom para isso exemplo são os protocolos clínicos”

7 – RESULTADOS TÊM MAIOR IMPACTO DO QUE POLITICAGEM

“Bons conceitos científicos, éticos e morais são fundamentais. Vejo muitos profissionais realizarem procedimentos médicos sem embasamento científico e defenderem com unhas e dentes o que fazem, mas com outros interesses”.

8 – ARRISQUE-SE. O FRACASSO PODE TRAZER GRANDE APRENDIZADO

“Conhecer bem o mercado antes de tomar uma decisão é fundamental. Quando me formei, em 1985, a Pediatria estava no auge. Só que o número de crianças na população vem diminuindo. Com isso, muitos pediatras mudaram de especialidade. Quem deseja se reinventar precisa arriscar-se na busca de novos conhecimentos”.

9- CONSTRUA UM BOM RELACIONAMENTO COM SEU TIME, PARA TRABALHAR BEM EM EQUIPE

“Procure ter uma boa postura e exercite o autoconhecimento. Assim, você conseguirá avaliar seu comportamento junto aos demais funcionários da clínica ou do consultório. O mau relacionamento entre os membros de uma equipe – entre um médico e um enfermeiro, por exemplo – pode refletir na assistência ao paciente”.

10- ENCORAJE A CRIATIVIDADE DAQUELES QUE TRABALHAM DIRETAMENTE COM VOCÊ

“Ouvir as pessoas é válido, desde que se criem os mecanismos formais para isso. Seja em uma avaliação de desempenho ou outro evento, é importante abrir espaço para novas ideias”.

11 – INDEPENDENTEMENTE DA HIERARQUIA, MANTENHA OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO INTERNA ABERTOS

“É muito importante que o médico saiba criar um clima em que a comunicação aconteça espontaneamente e de forma tranquila”.

12 – INDEPENDENTEMENTE DA HIERARQUIA, MANTENHA OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO INTERNA ABERTOS

“Lembre-se: todos em sua equipe são importantes. A partir do momento em que uma pessoa não é respeitada, toda a equipe se desestrutura – como se tirássemos uma peça da engrenagem, que pode, simplesmente, deixar de funcionar”.

Esse post faz parte da série “Gestão em saúde: Google, Microsoft e Apple“. Para ver os outros Fique atento para acompanhar mais lições destas grandes marcas para as áreas médicas

Reportagem por Bruno Bernardino