Publicado em Deixe um comentário

7 erros para não cometer em suas redes sociais

erros nas redes sociais

Se você, como médico, já trabalha sua imagem profissional nas redes sociais, perguntamos:  tem tido um bom retorno dos seus seguidores? Na verdade, não consegue avaliar esse feedback? Não sabe quais são seus possíveis erros nas redes sociais? Ou acredita que seja melhor desistir desse meio de comunicação, pois não conseguiu uma boa adesão dos seguidores ao que você publica? Será que essa é a melhor solução?

Facebook, Twitter, LinkedIn, Instagram e outras redes vêm ampliando a facilidade de acesso a informações e reforçam o meio de comunicação bilateral que a internet iniciou. Segundo uma pesquisa divulgada em 2019, o Brasil é o segundo país em tempo gasto em redes sociais. Além disso, a pesquisa ainda mostrou que nos últimos 7 anos o tempo médio gasto nas redes sociais aumentou em quase 60%.

Dentro desse cenário, muitos são os que fazem uso das redes para angariar informações sobre saúde e como manter uma vida de qualidade. Para isso, seguem páginas de médicos no Facebook e Instagram, a fim de obter mais conhecimento sobre determinada doença, por exemplo. Caso o paciente confie nas informações transmitidas pelo profissional, ele pode vir a compartilhá-las e ainda marcar uma consulta com o médico que segue. Ou seja, além de propagar o trabalho do profissional, ainda se torna um cliente em potencial.

Com base nisso, as redes sociais podem ser boas aliadas para o seu crescimento profissional. Caso você já possua uma conta em alguma delas e não esteja vendo resultados positivos, é possível que esteja fazendo algo errado. Para ajudá-lo, apresentamos uma lista com os sete erros mais comuns nas redes sociais e como evitá-los. Se você ainda não iniciou um perfil profissional, mas tem vontade de abrir uma conta em uma delas, fique atento para começar com o pé direito.

1- Atuar sem planejar

Não ter um planejamento de como atuar nas redes sociais pode fazer com que você se perca em suas postagens. Portanto, defina como quer trabalhar. Como médico, você pode estimular a promoção de saúde na sua especialidade, incentivando comportamentos saudáveis. Além disso, a divulgação de dados de pesquisas bem fundamentadas pode também ser uma boa oportunidade de mostrar que você se mantém atualizado.

2- Mesclar perfil profissional com pessoal

Não confunda os dois. Caso pretenda obter relacionamentos que venham a ajudá-lo a se tornar mais conhecido como um bom médico, crie um perfil com objetivo estritamente profissional. Por isso, misturar ambos pode acarretar em descrédito por parte dos seguidores e você ainda pode sentir que perdeu sua privacidade.

3- Ter desprezo e automatismo

É bem provável que as pessoas entrem em contato com você para tirar dúvidas ou até mesmo para dar uma opinião sobre algum conteúdo que você publicou. Não as ignore e nem dê respostas automáticas. Nas redes sociais, as pessoas buscam interação. Assim, marque na agenda um momento do dia para ver como está sua conta na rede e responda aos comentários sempre com educação e clareza.

4- Ignorar reclamações

Não ignore reclamações ou opiniões contrárias. Responda até mesmo as críticas. Responda com polidez e evite discussões. Mantenha a postura profissional e, se preferir, ofereça seu e-mail para que tudo seja esclarecido da melhor forma possível. Em caso de provocações, não revide em tom de ataque. Outro ponto: caso tenha publicado algo errado, peça desculpas e corrija-o o mais rápido que puder.

5- Não entender que as redes são diferentes

Disparar o mesmo conteúdo, da mesma forma, para redes sociais diferentes pode soar impessoal. Por isso, procure entender como cada rede funciona. O Twitter, por exemplo, possui uma linguagem rápida baseada em limite de caracteres e faz pouco uso de imagens, enquanto no Instagram, você possui mais liberdade de textos e, principalmente, de imagens e vídeos. Estude a melhor forma de adaptar seu conteúdo a cada rede.

6- Comprar likes

Fuja da compra de seguidores, fãs ou curtidas. As pessoas podem enxergar seu conteúdo como spam, diminuindo sua credibilidade diante delas e correndo o risco de ser penalizado pela rede social. Portanto, aposte em conteúdo de qualidade, atualizado com frequência e que mantenha um padrão na linguagem do texto e das imagens a serem divulgadas.

7- Não avaliar feedbacks

Não avaliar o feedback pode fazer com que você perca boas oportunidades. Por isso, preste atenção ao que o seu público diz sobre você nas redes, crie enquetes para saber quais são os interesses deles, o que eles gostariam de saber dentro da especialidade que você aborda. Assim, você conseguirá direcionar ainda mais o seu conteúdo para o que de fato interessa a eles.

Publicado em Deixe um comentário

Marketing 4.0: estratégias para um alcance eficaz do paciente digital

No passado, as ferramentas de marketing utilizadas pelos empreendedores não levavam os desejos dos clientes em consideração. Na Medicina não era diferente, a qualidade do diagnóstico era oferecida como uma das únicas estratégias de alcance.

Com a evolução tecnológica e a disseminação de informações gerada pela internet, as relações humanas passaram por uma transformação, o que fez com que muitos profissionais entendessem que, para que fossem bem-sucedidos, também precisariam mudar seus métodos de divulgação e alinhar seus objetivos aos anseios do consumidor. Assim surgiu o Marketing 4.0, como forma de conquistar pessoas cada vez mais exigentes, por meio de estratégias on-line que aumentam as chances de sucesso na carreira.

Preparamos um infográfico que traz uma melhor compreensão do conceito de Marketing 4.0 e evidencia a importância de se atualizar em relação às novas necessidades do paciente. Confira!

Publicado em

Marketing Médico: Por que investir em Marketing Digital?

Marcio Souza, especialista em Marketing Estratégico e diretor da agência ProxyMed, constatou que a busca por serviços de Marketing Médico tem crescido não apenas entre os profissionais, mas também entre as empresas de saúde. “As clínicas buscam a diferenciação por meio do foco no que o paciente tangibiliza, adequando estrutura física ao público-alvo, levando informação relevante sobre a especialidade dentro da própria clínica, proporcionando o chamado overdelivery, que está em voga no momento, que é o atendimento extraordinário, tratar bem de forma incomum. Essas são algumas maneiras de fazer a marca da clínica ser admirada”, reitera.

Por que investir em marketing digital para atração, engajamento e fidelização?

As redes sociais são consideradas os meios de comunicação mais importantes da atualidade. Muito mais do que conectar com pessoas, elas têm a capacidade de proporcionar empoderamento aos usuários, que estão cada vez mais presentes nessas plataformas. Muitas empresas, diante disso, perceberam o quanto era importante estarem também atuantes nas redes sociais, criando uma relação de maior proximidade com seus consumidores e clientes. Seguem abaixo os dados da atividade dos brasileiros nas redes sociais:

  • Facebook: 130 milhões
  • WhtasApp: 120 milhões
  • Instragram: 57 milhões
  • Twitter: 30 milhões
 

O poder das redes sociais sobre a decisão de compra

Por conta de uma gama de facilidades que tanto a internet como as redes sociais oferecem, e por estarem cada vez mais presentes nesses meios, os usuários vêm sendo cada vez mais influenciados pela leitura de avaliações, por comentários e feedbacks publicados nessas mídias no momento de realizarem uma compra on-line de um serviço ou produto. A seguir, estão as estatísticas fornecidas por indivíduos dos países analisados:

  • Brasil: 65% dos usuários
  • Índia: 76% dos usuários
  • EUA: 38% dos usuários

Referência na área de atuação

Além disso, Souza também enfatiza a importância de se tornar uma referência dentro de sua área de atuação. Segundo ele, no mundo contemporâneo, tudo caminha para a segmentação de mercado. Em qualquer área de atuação há uma subespecialidade que corrobora com outra área. “Há e haverá cada vez mais tecnologia que permitirá o aprofundamento em determinado estudo, que tornará alguém especialista e famoso por ser o primeiro. Aí entra a referência. As pessoas não têm mais tempo, nem paciência para ficar testando. Querem saber quem é a referência em determinada área e fazem um grande esforço para serem atendidas por esses profissionais, que, além de agendas lotadas, têm em comum a gestão da sua carreira atrelada ao branding. Não é à toa que são referências em suas áreas. Portanto, ser especialista é fundamental, somos reconhecidos (até financeiramente) pela nossa raridade na área de atuação e competência técnica”, relata.

Publicado em

Como ter uma página profissional no Facebook e no Twitter

Não existem dúvidas de que as redes sociais vêm transformando o relacionamento existente entre as empresas e seus clientes. Independentemente de qual segmento ou área profissional se trate, hoje todos podem conseguir um lugar ao sol no mundo digital e divulgar seus produtos e serviços. Na internet, existem oportunidades para diversas áreas profissionais, inclusive a Medicina.

Para entrar nesse universo, é preciso escolher os melhores canais de comunicação para divulgar sua prática médica, com o objetivo de atingir o maior número de pessoas possível. Mas não é só a quantidade que importa: a qualidade é essencial para passar credibilidade e segurança aos clientes. Para que os resultados sejam positivos, é necessário investir na publicação de conteúdo relevante e bem estruturado, além de desenvolver um ambiente favorável de comunicação com os seguidores. Entre a grande variedade de redes sociais disponíveis, duas delas se destacam como lugar ideal para começar a divulgar sua prática médica: o Facebook e o Twitter.

Ao criar uma conta profissional em cada uma dessas redes, é possível alcançar os pacientes que já possui e atrair novos, ampliando a divulgação do trabalho. O Universo DOC mostra como criar uma página no Facebook e no Twitter para ter a chance de divulgar sua atividade no mundo digital e expandir sua visibilidade no mercado.

Nocões básicas da conta

O primeiro passo para criar uma conta profissional, tanto no Facebook como no Twitter, é entrar na página inicial de cada rede e se inscrever. No Facebook, é preciso ter uma conta pessoal para vinculá-la a sua página profissional; já no Twitter é possível criar uma conta individual. A seguir, você deve escolher um e-mail, senha e nome paras as páginas. Ao concordar com os termos de uso, você pode partir para o próximo passo e definir algumas configurações das contas.

Outras configurações

Nas duas redes, é possível associar as contas a um número de celular, além de receber notificações por e-mail. Com isso, quando um novo usuário começa a acompanhar suas redes, além de interagir por meio de comentários, “curtidas”, compartilhamentos, replies e retweets, você recebe uma notificação, podendo, assim, visualizar quem está acompanhando suas páginas e até mesmo agradecer quem está ajudando a compartilhar suas publicações.

Fotos e descrição

As fotos, de perfil e de capa, podem ser definidas a seu critério, mas devem representar sua prática. Podem ser fotos suas, da equipe de trabalho ou do consultório. Dê preferência a imagens com boa resolução e visualização. Na descrição, é possível fazer um breve resumo de seu trabalho, além de inserir um link para o site da empresa, além de endereço, contato e horário de funcionamento. Use palavras-chave que facilitem a procura dos pacientes e permitam que eles encontrem suas páginas de maneira mais fácil e rápida.

Administração

Nesta etapa, você pode decidir se administrará as páginas individualmente ou se será preciso selecionar outros funcionários para serem responsáveis por essa função. Escolha pessoas de confiança e que entendam como ministrar as contas da melhor maneira possível. Quem estiver supervisionando as páginas precisa, além de publicar conteúdo, interagir com os seguidores e sanar as dúvidas deles.

Hora de publicar

Após ter passado por todas as etapas anteriores e definir as configurações de suas contas, é hora de divulgar seu espaço, começar a publicar conteúdo e se comunicar com os seguidores. Além de textos, o Facebook e o Twitter permitem o uso de fotos, vídeos, GIFs, links e sistema de localização. Quando os internautas têm a oportunidade de acessar conteúdos elaborados por especialistas, eles sentem mais confiança no que estão lendo. Além disso, a comunicação por meio das redes sociais ajuda a criar um vínculo de afinidade entre o médico e o paciente. Outro fator de importância é a confiabilidade, que é mais valorizada quando os clientes observam avaliações e comentários positivos, pois, assim, depositam mais confiança no trabalho do profissional. Lembre-se de que suas páginas devem estar sempre ativas para que a visibilidade delas evolua!

Uma última dica importante

Sempre diferencie suas páginas pessoais das profissionais. Ou seja, é essencial você ter uma página em que estarão seus familiares e amigos mais próximos diferente daquela em que estão seus funcionários, colegas de trabalho e pacientes. Manter dois ambientes não é fácil, mas é necessário para não misturar os assuntos e para evitar problemas

Publicado em

Marketing Médico: Gerando valor pelas redes sociais

 

As plataformas digitais oferecem recursos que podem ser bem interessantes para valorizar e sedimentar a credibilidade do profissional diante de seu público. Mais do que expor o consultório e/ou clínica, o médico pode aproveitar as ferramentas para construir um diálogo mais efetivo, desde que respeitando as resoluções e normas do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Na opinião de especialistas ouvidos por nossa equipe, o maior papel das plataformas sociais não está em fazer qualquer tipo de promoção dos serviços que o profissional de saúde oferece, mas em educar seu público. Uma excelente maneira de usar os mecanismos digitais é oferecer conteúdo aos pacientes, criando um diálogo mais forte com eles, além de passar informações relevantes e desmistificar boatos que possam induzir o indivíduo ao erro, com promessas de curas ou relatos de contraindicações ou riscos não embasados pela ciência.

O médico pode usar as redes para fornecer informações educativas, genéricas, relacionadas a práticas saudáveis ou a ações preventivas. Deve informar sobre riscos e benefícios de tratamentos, mas deixando sempre bem claro que cada caso é único e que recomendações dirigidas a uns podem não ser adequadas para outros.

Oferecer informações relevantes e de qualidade é algo que pode ser feito em qualquer canal, desde um site até as redes mais atuais, como a plataforma de fotos Instagram ou, ainda, o consagrado portal de vídeos YouTube. Com uma abordagem profissional, os resultados tendem a ser bem interessantes, fazendo com que o processo educativo gerado pelo médico chegue a um número maior de pessoas. As redes ampliam a visibilidade e reforçam junto à população o papel social exercido pelos profissionais.

Um elemento crucial para o bom uso das redes é separar perfis pessoais e profissionais. O ideal é possuir um perfil de caráter exclusivamente médico, de forma que os conteúdos não se misturem: as postagens pessoais continuam preservadas, enquanto o conteúdo formatado para ser entregue aos pacientes segue um caminho específico, o que pode evitar ao profissional algumas dores de cabeça.

Respeitando as regras do CFM e seguindo as dicas apresentadas, o médico certamente terá excelentes resultados na construção de um relacionamento sólido com seus pacientes.

Publicado em

Saúde no Youtube

Com a evolução das plataformas digitais, ferramentas na internet possibilitam um contato maior entre as pessoas. Para o médico, um leque de oportunidades se abre, podendo o meio digital ser uma forma de divulgar seu conhecimento e expandir a promoção da Saúde. Seguindo um fenômeno do século XXI, o site YouTube, cresce o número de médicos que assumem uma segunda função, a de youtuber.

O youtuber é um comunicador que utiliza essa plataforma para ter acesso à casa das pessoas, expor ideias e conversar com os espectadores. Entre os jovens a moda já é mania, existindo, atualmente, as chamadas web celebrities. Entre os médicos, o meio está em popularização. O famoso e conceituado Drauzio Varella é um comunicador na área da Saúde conhecido pelo grande público que já se rendeu ao site. Seu canal possui mais de 500 mil inscritos e divulga vídeos às segundas e quintas-feiras, explicando conceitos médicos ao público leigo e propagando a educação do paciente. (https://youtu.be/r9rGLaQ03Qs)

Segundo Bruno Garcia, o professor de Marketing e Negócios no Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec) e mestre em Administração, o digital pode ser uma excelente ferramenta para a criação de valor para a relação médico-paciente. “O médico pode, como exemplo, gravar vídeos para o YouTube explicando os casos que mais atende ou peculiaridades da área atuante, ou seja, atender ao interesse do público-paciente que tem. Isso ajuda a reforçar a credibilidade e o posicionamento do profissional, além de conscientizar seu paciente. Melhor do que uma pesquisa no Google, que não tem confiabilidade, essa é uma forma de levar a informação qualificada, trabalhar sua reputação e seu relacionamento e gerar valor para o paciente”, define.

Levando informação para o paciente

O pediatra e homeopata Moises Chencinski lançou seu primeiro site em 2006, no qual postava os diferentes textos que escrevia para entregar aos pais de seus pacientes, sanando dúvidas sobre a primeira infância. Com o respaldo de uma assessoria, passou a ser chamado para dar entrevistas em meios de comunicação tradicional e, alguns anos mais tarde, migrou para a comunicação por meio do Youtube. (https://youtu.be/8mcFk777lmY)

“É preciso entender a dinâmica do site, que costuma dar maior visibilidade a vídeos curtos. A ideia principal é fugir da aula, encontrar sua própria linguagem. Eu falo de um jeito que tem uma característica marcante. Se você lê o que eu escrevo, vem a uma consulta, me ouve no rádio ou me assiste pelo YouTube, vai perceber que sou a mesma pessoa em todos os meios, não sou um personagem”, explica.

A linguagem simples e clara é utilizada para sanar dúvidas e questões dos pacientes, que encontram no vídeo um meio rápido de conseguir a informação de que precisam. “É um modo que eu tenho de passar uma informação atualizada, de forma simples e ética, e que, por vezes, atinge aquelas pessoas que não têm acesso a um médico pediatra”, declara.

Uma forte possibilidade, ao se expor no YouTube, é a angariação de novos “pacientes”, que, tomados por alguma dúvida, sentimento de identificação ou agradecimento, desejam comunicar-se com o médico que veem pela tela do computador.

Chencinski afirma receber cerca de 2.500 perguntas por mês de pacientes e não pacientes. O pediatra aproveita os intervalos na agenda no consultório e se mantém disponível, durante todos os dias da semana, para sanar as dúvidas de quem o procura. “Minha intenção é sempre a de orientar e não de substituir a consulta. Já recebi mensagens de brasileiros que residem nos mais variados lugares do país, e também no exterior, e faço questão de responder a todos eles. Essa parte da comunicação, para mim, como médico, é realmente gratificante”, conta.

Com o objetivo principal de servir informação, acolhimento e apoio, Chenchinski explica que seus vídeos têm origem nas dúvidas que encontra em seu consultório e em sua caixa de mensagens eletrônica. O pediatra relata que tenta entender a limitação de quem o assiste, buscando sempre explicar e informar da maneira mais simples e embasado pelas fontes com maior credibilidade e confiabilidade, como as instituições sérias na área da Saúde.

Reportagem por Bruno Bernardino